quarta-feira, 10 de fevereiro de 2010

O Luto e o Problema




Mudando de assunto...

Estou com um problema. Talvez vocês possam "nos" ajudar.
Tenho uma paciente idosa, que, sem querer, manipula algumas lesões em seu tórax com as suas unhas. Resultado: as unhas acabam infectando o local. Ela repete o processo várias vezes por dia, e não coloca a mão lá de propósito. Algumas vezes, ela põe a mão no tórax ao mesmo tempo em que me promete nunca mais repetir a ação. Com isso, precisa ficar usando antibiótico o tempo todo.
Claro que ela está também com leve déficit neurológico. Enfim, o que fazer? Engessar a mão dela? Colocar uma luva de boxe, uma camisa de força? Eu jamais tomaria alguma dessas decisões drásticas e desumanas. Se fosse uma lesão somente, eu faria um curativo que permitisse a lesão "respirar", mas ela tem várias espalhadas, uma longe da outra.
Uma pessoa sugeriu usarmos nela uma blusa de gola rolê. Mas nesse verão... tadinha! Outra sugeriu que ela fique apertando aquelas bolas anti-stress, o que seria uma boa opção se ela fizesse essa manipulação intencionalmente.
Ontem à noite passei umas boas horas pensando na solução do problema. Claro que já pedi que cortassem as unhas dela bem curtinhas, "no sabugo", para evitar que ela se machuque muito. Será que existe no Brasil dedeiras de silicone para os dedos das mãos? (eu sei que existem para os pés)

Eu percebi que existe também um componente psicológico no meio de toda essa confusão. Já sugeri mil atividades para distraí-la (todas foram recusadas), a família dela é presente, amorosa, atuante e ela tem um time de médicos (incluindo eu) tomando conta.
Por favor, se tiverem alguma idéia, vou agradecer imensamente!
obs. Deviam incluir um capítulo chamado: "Como fazer seu paciente parar de se cutucar" nos livros de dermatologia.

28 comentários:

Ana Carla disse...

Princesa
Lamento muito por sua paciente.
Com relação a senhorinha que coça, antes de terminar de ler pensei nessas dedeiras, e achei isso veja se pode servir.

http://www.orthopauher.com/detalheProdutos.php?id=30

Bjoss

Kelly Barcelos disse...

Oi Lu,
Sinto muita pela sua paciente. Acho que em relação a senhorinha, apesar de incômodo, vc deveria fazer sim curativos "respiráveis" até que as lesões cicatrizem, pois como ela não faz intencionalmente mesmo com a dedeira que a Ana Carla achou ela pode continuar coçando.
Bjs

Tatinha disse...

Querida Lú,
Meus sentimentos! Sei como é difícil e como nos apegamos aos pacientes. Sou fisioterapeuta e lido com isso frequentemente. Ultimamente passei por uma situação dessas com a minha avó, que sofreu além da conta. É difícil sabermos até onde investir...mas o que nos consola é saber que os que foram estão melhores do que nós.
Quanto à paciente que se cutuca, acho uma ótima ídéia a dedeira. Não vejo outra solução uma vez que a lesão não é isolada. Um grande beijo pra vc!

Amanda Rua disse...

Olá!

Lendo aqui, me parece um gesto compulsivo. Acho que tomar medidas restritivas só farão piorar e aumentar ainda mais a vontade de coçar...
Pensei se seria o caso de se administrar um ansiolítico ou medicamento destinado a TOC (antidepressivos).
Não sei se seria conveniente e se os possíveis efeitos colaterais compensariam, não sou médica, na verdade sou psicóloga, mas já tive pacientes que só obtiveram bons resultados desta forma...
Bjoks e Boa sorte!

Fernanda B. disse...

Ela é acompanha por terapeuta ocupacional? Você disse que ela tem déficit neurológico, então com certeza é um profissional útil para esse caso.
Vou pensar com calma e qualquer idéia eu volto aqui
Boa sorte!

Camila disse...

Encaminhe para a Psiquiatria e procure ajuda de um psicólogo de orientação Cognitivo comportamental. Usar uma dedeira, ao meu ver, não vai ajudar a extinguir o problema. Bjs.

Dona Preguicinha disse...

Olá. Acho que usar a dedeira remediaria o problema momentaneamente, já que um trabalho terapêutico demora um pouco para gerar resultados, mas ela deve ser encaminhada a um psicólogo, para iniciar o tratamento. Um psiquiatra também viria de bom grado, para ministrar algum ansiolítico. Se ela não gostar de terapia convencional, sugira Arteterapia, que irá trabalhar as questões dela de forma não verbal. Eis a minha sugestão. Espero ter ajudado. Beijos

Andrea disse...

Você poderia sugerir um tratamento rejuvenecedor para as mãos dela que necessitasse do uso de luvas de lagodão durante o dia. não seria tão incomodo e ela se sentiria vaidosa ainda por cima!
bjos!

Luiza Miranda disse...

Lu,
Meu apoio aos momentos difíceis que passou.
Sei que não é fácil, pois como vc sabe lidei com isso com minha mãe e duas irmãs muito queridas...
Minha mãe teve Alzheimer e coçava as pernas, não a ponto de machucar.
Era assistida por psiquiatra diariamente e todos recursos que foi possível, mas os remédios são uma bomba, com efeitos colaterais que torna-se necessário tomar outros para combater os efeitos, vc sabe.
Então é uma faca de dois gumes...
Mesmo com toda assistência não conseguimos um quadro ideal, infelizmente era uma loucura!
Espero que sua paciente esteja numa fase em que possa se empregar terapias alternativas ou similar, ainda acho uma boa solução.
As dedeiras não adiantarão muito a meu ver tb.
Bjs e força na peruca!
Luiza

Luciana Leal disse...

Pessoal, obrigada pela ajuda!
Realmente, ela tem psiquiatra e já usa medicação, mas talvez seja a hora de mudar a dose ou talvez o remédio.
Perguntei se ela sabia fazer crochet, ou trocot, etc (pra ela ter o que fazer com as mãos), mas ela ~só quer saber de ficar parada, quieta. Já tem uma depressãozinha aparecendo...
Muito difícil mesmo.

Raquel disse...

oi lu ,
é a primeira vez que deixo um comentário por aqui , mas já venho acompanhando seu blog a meses , e adorooo ! =]
sobre o problema da sua paciente , concordo com as meninas que a senhora deve ser encaminhada a um psicólogo , mas acho que a curto prazo (se não encontrar as dedeiras) poderia ser feito umas "dedeiras-curativo" usando luvas de borracha , algodão e esparadrapo. Mas como assim ? fácil ! cortam-se as pontas das luvas deixando-as com aproximadamente 4cm , dentro de cada "dedeira de luva" coloca-se um pouquinho de algodão e o esparadrapo serviria p prender a dedeira no dedo. Não sei se essa idéia funciona , mas acho que vale a pena tentar.
bjoo

Palavras que falam por mim disse...

Olá, primeiramente parabéns pelo blog.
E por acha-lo de muito bom gosto é que o/a convido a vir conhecer a proposta do meu blog para você.

Aguardo sua visita!

Abraço

Karina

Fernanda disse...

Oi Luciana,
Como usar luvas é uma decisão drástica e ela sempre vai poder tirá-las, não seria possível cortar as unhas dela bem curtinhas?
Beijo, Fernanda

Sylvia disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Sylvia disse...

tah, ok eu tenho 14 anos e nao sei se isso vai ajudar mais eu tambem era meio compulsiva.. tipo as vezes eu roia unha ate enquato dormia.. depende principalmente da força de vontade dela... mas meio que pode ser ate stress dessa pressao e atençao toda.. eu colocava luvas, mastigava chicletes ou ia pro shopping onde eu me distraia.. tbm ningem quer ser vista coma mao na boca(ou se coçando nesse caso) na frente de outras pessoas... sera que fazer nataçao, sair, ou um curativo ajuda?
beijos e melhoras sylvia

Bianca disse...

Oi Lu,
Menina,tb sou médica e tenho muita dificuldade com isso, principalmente qdo o paciente tem acne, está cheio de manchas, e não consegue parar de se cutucar!Acontece até qdo eles estão dormindo! Alguns professores meus da pós graduação prescreviam doxepina à noite, mas tem efeito sedativo, então não sei se é uma boa idéia...Ela faz terapia? Talvez seja uma opção, pra ir direto na causa, pois está me parecendo um tipo de compulsão. Bom, parabéns pelo blog, e boa sorte com a paciente!

T. C. G. disse...

Eis um caso para a psicodermatologia. hehehe
Mas acho que poderia tentat tratar como TOC, com ISRS ou clomipramina (que, por ser tricíclico, também poderia ser usado na alodinia/prurido neuropáticos) em doses altas.. Não acho que se enquadre nos critérios de TOC, mas talvez funcione. E ela já deve usar ISRS pelo que você falou, né? De repente pedir a opinião do psiquiatra...

E como medida física, gostei da idéia das dedeiras (de silicone ou de luvas com algodão). Se for uma área descoberta, poderia aplicar uma pomada gordurosa, também (e talvez com lidocaína ou outro sintomático). Além de facilitar a cicatrização, cada vez que ela fosse coçar, iria sentir os dedos "melecados" e isso funcionaria como reforço negativo.

Vi numa jornada de dermato em POA em 2009 uma revisão sobre prurido no idoso... E mostraram a eficácia de anti-histamínico em dose dobrada (com melhor resposta - 80% dos pacientes - para desloratadina 20mg/dia) ou associação de 2 em dose usual. Falou-se também em ISRS (paroxetina e fluvoxamina), com efeito anti-pruriginoso em 68% dos pacientes, mas com reações adversas (não anotei as principais :S) em 70,8%; bem como curativos umidecidos com corticóide de baixa potência (mas e a absorção?).

É um problema complicado, né? hehehe.
Depois conta o que tentou e o resultado?

Boa sorte!
Beijo beijo

Luciana Leal disse...

Pior é que ela não tem prurido...mas as sugestões foram ótimas!

Milena SJCampos disse...

Olá, acompanho seu blog a algum tempo mas nunca me manifestei.

Sinto muito por sua perda, mas eu confio e acredito que não cai nenhuma folha de árvore que não seja pela vontade de Deus.
Quanto a sua paciente, eu queria dizer que tenho o mesmo problema, cutucos os dedos com as unhas, até que sangrem. Faço sem perceber e as vezes mesmo percebendo não paro. Não tenho nenhum disturbio psicológico, sou muito ansiosa apenas. Apesar do tratamento com a "anjo" da minha dermatologista, volta e meia piora porque volto a cutucar. Só melhora realmente quando eu tampo o local com microporo. Óbvio que manipulo alguma outra coisa ou algum outro lugar, mas pelo menos os dedos melhoram. Talvez seja a solução mais prática por enquanto.

Beijos.

peledepessego disse...

LU, HELP!!Minha dermato me passou EPIDUO mas nao consigo comprar em lugar nehuuuum!!!Voce sabe onde pode ter???BEijos

Letícia disse...

é alzheimer? minha avó tinha, e se machucava sem querer... a gente cortava unha bem curtinha e ficava meio que distraindo, tentando corrigir o estrago. mas é um saco, porque eles ficam super teimosos e nao há santo que faça mudar. medicaçao em dia, sempre bem monitorada ajuda mto, mas nao cura, né? ela nao sofre pelo movimento, normalmente eles nem percebem. é tipo um tique. entao a idéia das dedeiras é legal, até cicatrizar ao menos.

bibi move disse...

manda ela começar a fumar, assim encontra uma distração pras mãos.
ah, não vale?
quem sabe tocar clarinete?

Viviane Demarchi disse...

Lu, sou uma grande admiradora do seu blog, um excelente jeito de divulgar informações e seu trabalho, de maneira ética e mostrando um pouco de vc, da sua maneira de ser, atenciosa e carismática, que imagino que seja como trata cada paciente seu. Acredito tb nesse tipo de relação médico-paciente, que significa sempre olhar p/o todo, para o ser. Adorei a pesquisa que fez sobre qual tipo de médico suas leitoras gostam!
Sou cirurgiã oncológica e trabalho bastante c/neoplasias de pele.
Gostaria de tentar ajudar esta pcte... vc já cogitou a hipótese de utilizar curativos hidrocolóides, como Tegaderm Hidrocolóide, p.ex.? Seriam ocluisvos s/ser quentes, como os curativos comuns, além de manter a hidratação da ferida. São disponiveis em vários tamanhos, podem ser recortados s/n, e são auto-adesivos, dispensando esparadrapo, que acaba lesando ainda + a pele nas trocas. Como são transparentes, possibilitam o acompanhamento da cicatrização e reduzem as trocas, já que podem ser mantidos até 7 dias, dependendo da saturação do curativo, pela qtde de exsudato (indicação p/ feridas c/pouca ou moderada qtde de exsudação). Em feridas infectadas, c/exsudaçao abundante, a opção seria usar os curativos c/ carvão ativado (Curatec) ou c/ alginato (Tegaderm Alginato-3M), mas teria que avaliar presença de necrose ou outras características...
Se tiver mais alguma informação que possa te ajudar, me coloco a disposicao.
Uma grande abraço, de uma grande admiradora!

Luciana Leal disse...

Epiduo acabou de ser lançado, por isso é normal haver essa dificuldade inicial para encontra-lo... Geralmente, as principais farmácias costumam recebe-los logo...
Ou tente pela internet!

Camila disse...

Vou dar a idéia mais não-médica ever:
pq vc não faz o mesmo que em crianças que chupam o dedo? coloca algo na mão que faça arder a ferida, não é pra torturar, mas assim que encostar e sentir o ardor ela mesma vai tirar a mão e se disciplinar.

Anônimo disse...

^Se você descobrir, me ensina por favor!
Minha mãe precisa saber disso urgente hahaha e eu tb, adoro me futucar, horrível né? :(
To com uma alergia horrenda na mão por conta disso!!

bjos

Myla

Renata Francesconi disse...

Costumo fazer ebastina pela manhã e hidroxizina à noite. Mesmo sendo caso de cutucada sem prurido.
Prurido é assunto q me deixa doidinha, qdo fecho uma farmacodermia é beleza, aí é só mandar uma cartinha pro colega implorando uma possível troca.
Boa sorte!

jenny disse...

eu tenho o mesmo problema...tenho 31 anos e passo o dia descascando as minhas unhas das mãos, pés cuticulas, e pelinhos das sombrancelhas.....ja tentei parar, mas fico me boicotando nas tentaivas de parar com a automutilação.....pior que tenho noçao do problema e morro de vergonha das minhas maos e pés...mas acho que infelizmente nao tem solução...

Quem somos nós:

Minha foto
minhapele@ig.com.br, Rio de Janeiro, Brazil
Uma médica que ama dermatologia, medicina estética, e principalmente, ADORA o que faz. Um cirurgião plástico apaixonado pela profissão.

Siga "Minha Pele" no seu e-mail...

Acompanham este blog:

Onde você está???